quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Nem Serra nem Dilma tem programa de governo

Em julho, no último dia legal para isso, os três principais candidatos à presidência protocolaram documentos na Justiça Eleitoral, que deveriam ser, tradicionalmente, seus programas de governo.

Na realidade, José Serra registrou dois discursos em vez do programa.

E Dilma registrou um documento cheio de pontos polêmicos, que está sendo revisado e até hoje não foi divulgado, e nem há previsão disso, pois seu coordenador diz que provavelmente sua correligionária irá vencer a eleição no primeiro turno e apresentar seu programa de governo agora poderia atrapalhar isso.

Para mim, isso é uma cínica falta de vergonha na cara, e uma enganação pura e simples da população, e reflete bem a falta de compromisso que esses candidatos tem com o país.

Como foi noticiado na época, a terceira candidata, Marina Silva, não fez melhor, pois apresentou um documento de 38 páginas, com suas diretrizes básicas, de forma genérica, a ser completado depois com as sugestões dos eleitores.

Como é que alguém pode decidir seu voto se não sabe qual é o programa de governo de um candidato?

Enquanto isso, eles continuam fazendo afirmações genéricas em suas campanhas.

Aliás, esta é a era do genérico, como diz o Serra, criação dele.

Nem a enrolação é original. E assim ninguém poderá cobrar nada deles, pois nada apresentaram.

Desta forma, não é preciso ser vidente para saber que vai haver um (ou uma) presidente genérico nos próximos quatro anos, fazendo coisas genéricas, com intenções genéricas, já que não há programa de governo.

Como diz o ditato, quando não se sabe pra onde vai, qualquer estrada serve. Só que, qualquer que seja ela, sempre há um preço a pagar, pelos vencedores da eleição, pelos perdedores,  pelos eleitores (todos), pelos que sabiam alguma coisa e se calaram, pelos que viram e não criticaram e pela nação. Disso ninguém escapa.

Nenhum de nós!

Vejam mais informações neste artigo.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

O novo Código Florestal brasileiro é nocivo à biodiversidade

Faz tempo que tenho acompanhado a tramitação do novo Código Florestal brasileiro, e visto como sua aprovação será extremamente daninha para a biodiversidade de nossas matas tropicais.

[caption id="attachment_865" align="aligncenter" width="300" caption="Riacho (Foto: Paolo Neo)"][/caption]

O problema é que a nova legislação fará com que os proprietários privados, donos de 39% do território brasileiro, possam reduzir a área de proteção ambiental dentro de suas propriedades (aliás, os grandes proprietários são exatamente os defensores desse novo código).

Dessa forma, ao investir em projetos de curto prazo, estarão, na verdade, desvalorizando suas próprias fazendas, por causa da erosão do solo, e do desequilíbrio na captação e distribuição de água pelas bacias hidrográficas, provocando perdas irreversíveis ao ecossistema. Mas eles não querem pensar sobre esta parte.

O problema é que o resultado dessas ações será prejudicial ao meio-ambiente como um todo, afetando todo mundo. Precisamos fazer alguma coisa, pelo menos espalhar a notícia e assinar uma petição contra isso, para que o assunto apareça e seja mais debatido.

Visite a página da AVAAZ.ORG (organização de alcance mundial) para ver mais informações sobre esta questão e assinar a petição para impedir a aprovação desse código (e outras questões cruciais, como o Ficha Limpa, que ainda não está totalmente garantido, etc).

Veja matéria sobre o novo Código Florestal brasileiro aqui.

Candidato pode prometer salário maior pra ganhar voto?

Hoje vi na tv uma propaganda do José Serra que mostra cédulas de 100 reais, e uma voz diz que se o eleitor quiser ganhar seis dessas notas, em vez de cinco, é só votar nesse candidato.

Só com isso já fiquei pasmo, pois literalmente ele mostra dinheiro, enfileirando 5 notas de 100 reais, e prometendo 6 se ele for eleito, pra que "tudo fique azul" (cor da nota).

Mas o pior veio em seguida: uma peça do TSE dizendo que comprar voto é crime!

E a pergunta óbvia: um candidato que promete aumentar o salário (mostrando dinheiro na propaganda) se o eleitor votar nele está fazendo o quê?

A mensagem nem é subliminar, ela é direta, e não precisa ser feita nenhuma interpretação, pois a propaganda é clara em sua mensagem: se ele for eleito, os eleitores que ganham salário mínimo irão ganhar mais dinheiro: é uma promessa de mais dinheiro em troca de votos.

Outra pergunta:  se um candidato chamasse uma pessoa na rua, e num canto, ocultamente, prometesse pra pessoa que aumentaria o salário dela em troca de voto, não seria crime?

Mas neste caso, como é uma propaganda política, aberta, em rede nacional, não é.

(Parece o raciocínio daquela anedota antiga sobre guerras: se um indivíduo matar uma pessoa, ele é um assassino; se ele for pra uma guerra e matar milhares, é um herói.)

A menos que eu seja muito burro e não esteja entendendo a mensagem subliminar que isso pode (mas não pode ser comentado), mas individualmente, escondido, não.

Mas aí pergunto: qual a diferença no ato em si?

Quem souber explicar isso, por favor, faça via comentário. Eu agradeço!

***

Outro questionamento: uma peça do TSE diz para os eleitores não votarem em branco, pois estes votos não serão válidos.

Ou seja, no cômputo geral dos votos, os votos em branco são desconsiderados, da mesma forma que os votos nulos, contando apenas os votos em cada candidato pra se determinar o vencedor.

Assim, votos brancos e nulos se equivalem.

Mas há uma lei que prevê que se houver mais de 50% de votos não válidos, a eleição poderá ser anulada.

No entanto, não existe informação clara sobre o assunto, o que é um problema sério, pois enquanto isso, faz-se uma campanha pra votar, de qualquer jeito, sem tempo para debate real sobre o problema.

Fora que o voto é um dever, e não um direito.

Se não fosse um dever, por que aquele que não votar pode ser preso?

Para mais informações e debate sério sobre o assunto, consulte esta página (leia os comentários também, que são muito instrutivos, pelo menos para mostrar que o assunto não está claro nem definido): mais informações sobre voto branco e nulo aqui.

sábado, 11 de setembro de 2010

Serviços telefônicos e bancários recebem maior número de reclamações

Já cansei de publicar neste blog os problemas que tive com a Oi/Brasil Telecom (que, aliás, até hoje não resolveu essa pendenga, mesmo eu tendo cansado de dizer a seus atendentes mal informados que cancelei o contrato oficialmente no escritório da empresa em POA, fiz um acordo e paguei o que devia, e até hoje eles continuam enviando meu nome para serviços de cobrança da várias capitais do país, de suas faturas enviadas ilegalmente a mim; os artigos estão na categoria Denúncia), e como sempre falei com muitas pessoas, e já relatei em outros artigos, essa empresa é campeã no que se refere a reclamações de consumidores.

E tudo o que falei foi sem ver números oficiais, que são publicados agora e confirmam: entre as 30 empresas que mais receberam reclamações via PROCON em 2009, a número 1 da lista é a Oi/Brasil Telecom!

E isso em todo o Brasil, não é só em Porto Alegre!

Do total de queixas formalizadas no PROCON em 2009, os serviços de telefonia e os bancários lideram como alvos de reclamações dos consumidores.

Veja aqui informações mais detalhadas e a listagem completa das empresas que mais receberam reclamações de seus clientes.

Para quem mora em Porto Alegre, o Procon Municipal de Porto Alegre está localizado na Rua dos Andradas, 686, Centro;
Cep: 90.020-004
Fone/Fax: (51) 3289.1777 / 3289.1769 / 3289.1774
E-mail: procon@smic.prefpoa.com.br

Para quem mora no interior do RS e não tem PROCON em sua cidade, clique aqui para saber como resolver seus problemas (ou pelo menos tentar).

***

Observação: todas as pesquisas indicam que os cidadãos brasileiros tem tomado grande consciência de seus direitos nestes últimos 20 anos de existência do Código de Defesa do Consumidor. Mas é preciso mais do que isso: é necessário ter consciência de como o sistema capitalista funciona e de como ele manipula e prejudica o cidadão através do sistema financeiro, no qual o cidadão sempre paga as contas das deficiências e prejuízos do próprio sistema.

Vejam este documentário que explica passo a passo como isso acontece, e nos alerta pra mostrar que só os trabalhadores possuem realmente dinheiro de verdade nas mãos, e não somente números escritos numa planilha. Precisamos entender que é o sistema capitalista que depende de nós, cidadãos, trabalhadores, e não o contrário, pois sem nós, eles não são nada.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

O Meu País, de João de Almeida Neto

O seguinte trecho foi extraído do sítio de João de Almeida Neto, sobre este artista gaúcho:

“João de Almeida Neto é músico, cantor, compositor e advogado. Considerado pela crítica musical como um dos importantes intérpretes da música regional gaúcha,  “A Voz do Rio Grande” é um dos artistas mais premiados em festivais nativistas.
Tem 8 cds e 1 dvd gravados, e dezenas de participações em coletâneas. Está preparando mais um disco, já em vias de lançamento.”

Ele é o autor de O Meu País, canção que retrata criticamente a situação atual do Brasil:


Um país que crianças elimina;
E não ouve o clamor dos esquecidos;
Onde nunca os humildes são ouvidos;
E uma elite sem Deus é que domina;
Que permite um estupro em cada esquina;
E a certeza da dúvida infeliz;
Onde quem tem razão passa a servis;
E maltratam o negro e a mulher;
Pode ser o país de quem quiser;
Mas não é, com certeza, o meu país.

Um país onde as leis são descartáveis;
Por ausência de códigos corretos;
Com noventa milhões de analfabetos;
E multidão maior de miseráveis;
Um país onde os homens confiáveis não têm voz,
Não têm vez,
Nem diretriz;
Mas corruptos têm voz,
Têm vez,
Têm bis,
E o respaldo de um estímulo incomum;
Pode ser o país de qualquer um;
Mas não é, com certeza, o meu país.

Um país que os seus índios discrimina;
E a Ciência e a Arte não respeita;
Um país que ainda morre de maleita, por atraso geral da Medicina;
Um país onde a Escola não ensina;
E o Hospital não dispõe de Raios X;
Onde o povo da vila só é feliz;
Quando tem água de chuva e luz de sol;
Pode ser o país do futebol;
Mas não é, com certeza, o meu país!

Um país que é doente;
Não se cura;
Quer ficar sempre no terceiro mundo;
Que do poço fatal chegou ao fundo;
Sem saber emergir da noite escura;
Um país que perdeu a compostura;
Atendendo a políticos sutis;
Que dividem o Brasil em mil brasis;
Para melhor assaltar, de ponta a ponta;
Pode ser um país de faz de conta;
Mas não é, com certeza, o meu país!

Um país que perdeu a identidade;
Sepultou o idioma Português;
Aprendeu a falar pornô e Inglês;
Aderindo à global vulgaridade;
Um país que não tem capacidade;
De saber o que pensa e o que diz;
E não sabe curar a cicatriz;
Desse povo tão bom que vive mal;
Pode ser o país do carnaval;
Mas não é, com certeza, o meu país!

***

Veja também um vídeo de O Meu País, gravada por Zé Ramalho:

sexta-feira, 3 de setembro de 2010