segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Esse é o programa de governo da Dilma?

Eu comentei no blogue do Janio sobre questões políticas e falei o que já tinha dito em um artigo meu: que os candidatos à presidência estão brincando de eleição e até hoje não tinham divulgado seus programas de governo.

Aí a Dilma divulgou hoje (25/10) o seu, com treze diretrizes básicas:

"1 - Expandir e fortalecer a democracia política, econômica e socialmente"

"2- Crescer mais, com expansão do emprego e da renda, com equilíbrio macroeconômico, sem vulnerabilidade externa e desigualdades regionais"

"3 - Dar seguimento a um projeto nacional de desenvolvimento que assegure grande e sustentável transformação produtiva do Brasil"

"4 - Defender o meio ambiente e garantir um desenvolvimento sustentável"

"5 - Erradicar a pobreza absoluta e prosseguir reduzindo as desigualdades. Promover a igualdade, com garantia de futuro para os setores discriminados na sociedade"

"6 - O Governo Dilma será de todos os brasileiros e brasileiras e dará atenção especial aos trabalhadores".

"7 - Garantir educação para a igualdade social, a cidadania e o desenvolvimento".

"8 - Transformar o Brasil em potência científica e tecnolõgica"

"9 - Universalizar a saúde e garantir a qualidade do atendimento do SUS"

"10 - Prover as cidades de habitação, saneamento, transporte e vida digna e segura para os brasileiros"

"11 - Valorizar a cultura nacional, dialogar com outras culturas, democratizar os bens culturais e favorecer a democratização da comunicação".

"12 - Garantir a segurança dos cidadãos e combater o crime organizado"

"13 - Defender a soberania nacional. Por uma presença ativa e altiva do Brasil no mundo"

***

Esse é o programa de governo da candidata?

Pelo amor de Deus! Isso é brincadeira, piada.

Qualquer estudante universitário em fim de curso tem que apresentar um trabalho de conclusão longo e bem fundamentado, apresentando e discutindo cada ponto de maneira específica.

E um candidato à presidência lista 13 assuntos, como se fosse um estudante do primário listando tópicos para uma redação?

Não tem nada específico. Ou seja, pode-se fazer qualquer coisa em qualquer das áreas citadas, já que não há indicações precisas do que será feito, ou pelo menos intencionado (não esqueçamos que o Lula foi eleito baseado no combate á fome pelo Programa Fome Zero, que foi abandonado logo depois; ou alguém ainda acha que não há nenhum brasileiro passando fome mais?).

E mesmo que os treze pontos citados sejam o resumo de um panfleto de 20 páginas, a crítica permanece a mesma, já que esse é o documento produzido pela coligação de 11 partidos, liderados por PT e PMDB, a poucos dias da eleição no segundo turno. E a senhora candidata ainda disse que o atraso na apresentação desse documento não prejudica o eleitor.

A piada é realmente de mau gosto, pois todo eleitor que não está hipnotizado ou dependente das bolsas distribuídas pelo governo Lula está aguardando esse programa de governo para decidir seu voto.

E sendo essa a "seriedade" (???) com que ela trata eleitores sérios, espero que ela não esteja sonhando com meu voto, pois a realidade vai mostrar outra coisa.

Falando em outras coisas, e a reforma do sistema tributário (pessoa física e jurídica)?

Qualquer empresário ou empreendedor que tenha uma empresa ou tenha tentado abrir uma (e também fechar; veja dados atuais aqui) sabe o tamanho da carga tributária que tem que pagar. E também sabe que o Brasil, em todo o planeta, só perde para a Índia em termos de burocracia para abrir e fechar uma empresa. Fora a enorme carga tributária sobre a pessoa física. E os candidatos á presidência não tocam no assunto.

E como vão expandir a economia e aumentar o emprego sem mexer nesses problemas? Aumentando impostos, como sempre fazem?

E a reforma no sistema de saúde, que sofre de falta de verba crônica desde sempre, e ainda mais nos tempos da malfadada CPMF, criada pelo então Ministro da Saúde (governos Collor e FHC), Dr. Adib Jatene, e que logo depois foi redirecionada para outras áreas, deixando o Dr. Jatene, um homem de bem, em maus lençóis?

Lembrando que o senhor Adib Jatene, na época, teve apoio direto do então presidente FHC para entrar com o projeto do chamado "imposto do cheque", apoio esse que foi retirado logo em seguida, com o desvio dessa verba da saúde para outras áreas.

Sistema de Saúde que continua com esse mesmo problema de falta de verba (já que não há problema de gestão), conforme afirmou o próprio Dr. Jatene em entrevista recente na Rede Bandeirantes. Ou seja, se não uma reforma, no mínimo o aumento da verba.  (Fora que logo depois de eleita, a nova presidente já está defendendo a volta da CPMF, assunto que ela não mencionou durante a campanha; veja mais informações aqui.)

E a reforma no sistema político?

Esta, como sempre, é sempre adiada, pois nenhum político quer mexer nos próprios bolsos, cortar na própria carne e diminuir os próprios benefícios.

Essa senhora candidata deve pensar que a maioria dos brasileiros tem 13 anos de idade!

E não estou aqui criticando a candidata do PT para apoiar Serra, pois este sequer apresentou um programa de governo, registrando dois discursos como tal.

Como eu já disse, preparem-se para quatro anos de trevas políticas.

E olha que não é só eu que sinto isso: há estudiosos da matéria dizendo que o quadro político nacional decaiu sensivelmente a partir destas eleições.

(Veja aqui o que diz um petista histórico como Hélio Bicudo, jurista e fundador do próprio PT, sobre a atuação desse partido, ao declarar seu voto no candidato adversário.)

O país só não para porque há milhões de trabalhadores e empresários que trabalham dia e noite e produzem o progresso da nação, porque se fosse esperar pela classe política, a idade média já tinha voltado de vez.

E graças a Deus e a nossos compatriotas que temos um grande parque industrial e uma enorme rede de comércio para garantir a saúde econômica e financeira do país.

Ainda bem que este país já anda independente de sua classe política. Mas o Estado devia estar trabalhando em favor da nação, e não atrapalhando seu progresso.

***

Observação: nem citei acima os temas polêmicos abordados na primeira versão do programa da candidata Dilma Rousseff, que foi retirado para revisão, e republicado agora em sua versão 'light', como disseram. Nesta versão, não são colocadas as questões do aborto, do "controle social" da mídia e a taxação das grandes fortunas.

Para mim, a reforma do sistema tributário, do sistema de saúde e do político são mais urgentes, até porque a questão do aborto deve ser tratada dentro da saúde, sem ser misturada com a imposição de representantes de igrejas, que é onde os partidos políticos se perdem, e recuam, por medo de perder votos. A saúde da mulher tem que estar acima dessas decisões eleitoreiras.

E alguém que pleiteia o cargo máximo da república, independente de seu partido, tem que ter esse compromisso com a metade feminina da população, ou seja, de firmar o compromisso de abordar essa questão em seu possível governo.

Imagina, se os políticos descumprem até documentos assinados por eles mesmos, vide os compromissos assumidos e quebrados por Serra em mandatos eletivos, o que poderemos esperar de compromissos que sequer são escritos e assinados por eles?

sábado, 23 de outubro de 2010

Sistemas em loop infinito

Loop infinito em computação é uma sequência de instruções que repete-se infinitamente, ou porque não há como parar a sequência ou porque a condição para ela parar não é atingida.

Já falei em um artigo sobre meus problemas com a Oi/BrasilTelecom em que havia um loop infinito: eles tinham 3 números de telefones disponíveis, e os atendentes em cada um deles sempre pediam para ligar para um dos outros números para resolver o problema.

Descobri recentemente que o site da Net também tem um problema semelhante: na parte em que o cliente se cadastra pra verificar a fatura da Embratel, o sistema pede o número do código Net, o ok, e depois a escolha do tipo de plano telefônico.

Ao clicar ok para o plano telefônico, o sistema abre uma janelinha pedindo para inserir o código Net (o que já foi feito)!

Ou seja, o cadastro nunca pode ser feito.

Agora que comprei um pc novo, com Windows 7 (porque quero rodar jogos no pc que não rodam em Linux, infelizmente), não consigo rodar uma série de dvds, porque o Windows Media Player entra em loop infinito: aparece a mensagem de que meu sistema está configurado para a “região 1” de dvds (seja lá o que isso queira dizer!), e que o dvd inserido está configurado para rodar na região 1 ou 4, e que eu devo reconfigurar meu sistema para tocá-lo!

Alô além, quem será que configurou esse sistema *#&¢¨#@PQP!!!

Até então eu achava que eu era o único doido na estória.

E a última desta semana, o loop infinito dos Correios: um amigo me enviou uma correspondência registrada, mas acontece que a correspondência não pode ser entregue ao destinatário (eu!)!

O carteiro deve procurar o zelador do edifício e entregar para ele, e ele entregar para mim.

Depois de três tentativas sem encontrar o zelador (uma das horas que o carteiro passa é depois do horário de expediente do zelador, 18 horas), os Correios devolveram a correspondência ao remetente, com o carimbo de destinatário não encontrado!

Alô além!!!

O carteiro vem ao meu prédio, eu trabalho em casa, e ele procura o zelador!!

Não o encontra, e devolve a correspondência.

Ou seja, é mais barato e menos trabalhoso para os Correios fazer três tentativas de entrega e devolver um envelope ao outro lado do país do que simplesmente tocar meu interfone?

Não seria mais fácil tocar meu interfone direto e me entregar a correspondência?

Aí o remetente e eu temos que fazer ligações de longa distância para combinar de enviar de novo o envelope, pegar o código de envio, para tentar localizar o envelope na central postal do meu bairro ANTES que o carteiro faça mais três tentativas de falar com o zelador do meu prédio e devolver de novo a correspondência.

E o pobre carteiro, para não perder seu emprego, tem que seguir esse procedimento. O problema não é de quem executa o procedimento, é de quem cria.

Havia uma lenda neste país de que os Correios eram a única instituição que funcionava nestes trópicos!

Realmente, é lenda!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Avança a tecnologia, mas os problemas continuam os mesmos

É incrível como certas coisas não mudam, embora a tecnologia nos prometa que tudo vá mudar.

Quando eu era criança pequena lá no norte de Minas Gerais, na década de 70 do século passado, o sinal da TV era sempre um problema, pois quando a imagem pegava bem, o som era ruim, e quando o som estava bom, a imagem era péssima.

Tanto que a gente brincava, em 'mineirês', dizendo que a TV lá era assim: quando “mageia, num proseia” e quando “proseia, num mageia”.

30 anos depois, o problema de sinal permanece o mesmo, na TV aberta e nos novos instrumentos de comunicação.

Coincidentemente, isso acontece com mais frequência na minha comunicação com pessoas em Minas Gerais.

Há tempos uso Skype e Messenger. Minha banda larga não é das melhores, comparada com o que está disponível hoje no mercado: apenas 1 MB de velocidade.

[caption id="attachment_684" align="aligncenter" width="300" caption="Este é o retrato da web!"][/caption]

Em geral, o problema no Skype é a imagem ruim, borrada, enquanto o som está sempre bom. Já no Messenger o problema é o som, enquanto a imagem está quase sempre boa.

Eu e outros amigos já mesclamos os dois, usando a imagem de um e o som do outro, mas, infelizmente, no meu PC atual a coisa não funciona bem (ou seja, quando “mageia, num proseia, e quando “proseia, num mageia”).

Com o lançamento do Google talk / bate-papo do google, resolvi experimentar esta nova ferramenta, pois uso gmail, bem como as pessoas com quem falo com mais frequência via vídeo.

Por enquanto, está funcionando bem, tanto imagem quanto som. Fica a dica para os usuários do gmail (é só ir nas Configurações > Bate-papo e instalar o programinha; rápido e rasteiro, igual o ataque do Cruzeiro!). :)

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O velho jogo político do parecer

Leio diariamente as notícias sobre as campanhas políticas de Serra e Dilma e o que mais aparece nelas é o que os candidatos devem parecer diante dos eleitores, principalmente com relação às questões de religião e aborto.

As opiniões basicamente se referem ao que é recomendado pelos correligionários de cada candidato: que postura eles devem adotar diante dessas questões para obter o máximo de votos possível.

Ou seja, pouco importa o que eles realmente pensam a respeito desses temas ou de qualquer outro, o que importa mesmo é o que eles devem parecer pensar diante dos eleitores a respeito desses assuntos.

Pra resumir a ópera, a política de hoje não mudou em nada com relação à Roma antiga, na qual os políticos seguiam o ditado sobre a mulher de um César: mais importante do que ser é o que ela devia parecer diante do público, pois o que ela parecia é que era importante, e não o que ela era.

Por exemplo: todos sabemos que nenhum desses dois candidatos tem programa de governo.

Eles tem apenas opiniões sobre que deve ser feito com relação a alguns temas comuns, como saúde, educação, segurança, economia, etc.

E passam o tempo fazendo as promessas vãs de sempre e atacando a candidatura oposta com as denúncias vazias de sempre.

Fora isso, dos 320 parlamentares que foram reeleitos, 76 estão sofrendo ação penal ou inquérito no Supremo Tribunal Federal, além dos milhares que foram barrados pela Lei da Ficha Limpa.

No entanto, algo pior do que isso está acontecendo: os eleitores fingem que acreditam que não estão vendo que é tudo uma pantomima, embora o mal maior vá acontecer: a votação é real.

E um desses candidatos realmente vai ocupar o Palácio do Planalto pelos próximos quatro anos.

E aí todo mundo vai fingir que está contente com uma administração de fachada, como acontece com o atual presidente, que finge não ver os problemas que acontecem à sua volta.

Afinal de contas, com todas as vantagens e benefícios que o atual governo diz que a população está tendo, sinceramente, eu não vi mudança alguma nos últimos oito anos.

Todos continuamos pagando contas altas de luz, telefone, internet, moradia, transporte, cesta básica, IPVAs, IPTUs, etc.

Todo empresário, do individual/autônomo ao mega-empreendedor, sabe a carga altíssima de impostos que são pagos neste país, que também está entre os primeiros do mundo em burocracia.

Que benefício tivemos nestes últimos 8 anos? A menos que o presidente esteja falando apenas dos bancos credores do governo. Bem, aí a conversa é diferente, pois esses bancos são altamente lucrativos, já que o governo paga bem e em dia a eles.

Quanto ao resto da população, alguém neste país viu o preço da gasolina baixar por causa das imensas reservas de petróleo descobertas em nosso país, ou o preço dos alimentos baixar por causa das enormes colheitas de grãos?

Há trinta anos que leio que Porto Alegre é a capital mais cara do país em termos relativos; há trinta anos que vejo campanhas de educação que nunca resolvem em definitivo o analfabetismo do povo brasileiro; há trinta anos que vejo promessas de melhorias no sistema de saúde pública, que continua igualzinho em suas deficiências; há trinta anos que ouço promessas políticas de água e esgoto para 100% da população, boas estradas para transitar, além de salário digno, boa moradia, qualidade de vida, etc, etc, etc.

Se tem uma coisa que está absolutamente clara nessas eleições é que não há esperança alguma de mudança ou melhoria. Não há nada a esperar de quem vá ocupar o cargo máximo do país. Não há ilusões de nada.

Só fingimos que achamos que alguma coisa vai melhorar, para não ter que realmente pensar sobre o problema e ter que nos mover de onde estamos (des)confortavelmente sentados, fingindo que tudo está bem.

Antes do Caetano falar, eu já tinha pensado o que ele disse: há uma hipnose coletiva no Brasil nestas eleições. Todo mundo finge que tudo está bem e que o candidato que for eleito fará um grande trabalho, e as eleições transcorrem como se aqui fosse o paraíso da perfeição e o país não tivesse problemas.

Mas, ao fim das contas, de repente, toda essa falta de esperança pode ter um efeito positivo, pois, não tendo nenhuma esperança que algo de fora venha fazer algo por nós, temos que realmente parar e pensar o que nós podemos fazer por nós mesmos, para sair da apatia e do tédio e criar alguma coisa boa para todos.

Além disso, como não há perspectiva ou ilusão terrena para nos distrair ou deslumbrar, podemos tirar esse tempo para pensar em algo mais duradouro, permanente, para além do jogo do parecer da política e deste mundo, que já sabemos que não leva a lugar algum.

Em suma, como o jogo do parecer já está mais do que na cara (como dizia o Gil: tá na cara que a caretice tá na cara!), temos que encarar o que realmente somos e o que queremos, e isso cada um precisa fazer por si mesmo.

Não há político no mundo que possa nos guiar nesse caminho, até porque é visível que eles não sabem pra onde estão indo, pois sequer tem programa para governar um país do qual querem ser presidentes.

Como eu já disse em outro artigo, para quem não sabe para onde está indo, qualquer estrada serve. Ainda mais se estiver hipnotizado.

Entretanto, para quem já está consciente que se desiludiu de tudo isso (jogo político, sistema financeiro internacional, falsos tratados de paz promovidos por quem faz guerra, etc), vale a pena pensar profundamente sobre valores permanentes, como paz interior, educação dos filhos, preservação da natureza e cordialidade e respeito ao próximo (respeito ao livre arbítrio; neste particular, a internet é excelente: disponibilizamos materiais de leitura, e o leitor tem a total liberdade de ler o que quiser, de concordar ou discordar, sem ninguém para torrar sua paciência).

Até porque as mudanças reais que podem ocorrer em nossa sociedade vem do movimento das pessoas agindo em comum, de boa vontade, haja vista as milhares de associações e empresas (regidas por pessoas; e as pessoas individualmente também) que prestam serviços de ajuda ao próximo aqui e em todo o mundo, cada um fazendo sua parte para o bem comum.

Esse movimento que força os governos a tomarem atitudes diferentes com relação a serviços públicos necessários. É um tipo de cobrança de atitude baseada na própria atitude, pois quem faz algo por si e pelo próximo não vai aceitar que um administrador público não o faça.

sábado, 9 de outubro de 2010

Homenagem a John Lennon em seu aniversário

Hoje, sábado, 9 de outubro,  John Lennon faria 70 anos (foi assassinado em 8 de dezembro de 1980).

Presto a ele esta singela homenagem, um artista que trouxe muita alegria a muita gente em todo o mundo.

Minha adolescência foi embalada por muitas músicas (falo da adolescência porque as canções nesta fase deixam marcas profundas em nossa alma, para sempre), entre elas as dos Beatles e de John Lennon, como Let it be, Imagine, Give peace a chance,  Stand by me, Woman, Happy Xmas, HeyJude, Help, Yesterday, I wanna hold your hand, Michelle, e muitas outras que fui descobrindo com o tempo e adorando.

Veja página com amplo material sobre John Lennon aqui.

Ouça Hey Jude:

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Diretor e ator de Tropa de Elite 2 entrevistados por Jô Soares

O diretor, José Padilha, e o ator principal de Tropa de Elite 2, Wagner Moura, foram entrevistados na madrugada de quinta pra sexta por Jô Soares.

Vejam aqui o que eles falaram sobre o filme (a entrevista está divida em 4 partes; a barra de vídeos mostrará as outras ao final de cada uma):